RssVideosHomilaArtigos

HomilaLinha

 Meditação para o Primeiro Sábado

 Segundo mistério gozoso:

A visitação de Nossa Senhora a sua prima Santa Isabel.

 

 

 Vamos dar inicio à meditação reparadora dos primeiros sábados, que nos foi pedida por Nossa Senhora quando apareceu em Fátima, no ano de 1917. Pedia Ela que comungássemos, rezássemos um terço, fizéssemos meditação dos mistérios do Rosário, e confessássemos, em reparação ao seu Sapiencial e Imaculado Coração. Para os que atendessem a este pedido, Ela prometia graças especiais de salvação eterna.

Compete-nos hoje meditar sobre o segundo mistério gozoso: a visitação de Nossa Senhora a sua prima Santa Isabel.

                  

Composição de Lugar

 

                   Vamos colocar nossa imaginação neste caminho percorrido por Maria a pé, desde Nazaré até os montes onde habitavam São Zacarias e Santa Isabel e, com os olhos fixos nesta viagem, vamos nos voltar para Nossa Senhora, pedindo graças especiais para bem fazermos esta meditação:

                   Ó  Virgem Santíssima, Mãe de Deus, hoje a Igreja celebra a festa que é Vossa, considerando-Vos enquanto Mãe do Salvador. Vós tivestes a graça de ser escolhida pela Santíssima Trindade para ser a Mãe do Verbo Encarnado, e, por isso, no dia de hoje, a Igreja Vos louva e glorifica enquanto Mãe de Cristo; portanto, Mãe de Deus.

                   Nós estamos nesta Catedral de São Paulo para realizar a meditação reparadora ao Vosso Sapiencial e Imaculado Coração, neste primeiro sábado. Pedimos-vos todas as graças para que possamos compreender bem e aprofundar os mistérios havidos nesta visita a vossa prima Santa Isabel e, ao mesmo tempo, desagravar-Vos por tantos crimes, tantos horrores e pecados que se cometem em nossos dias.

 

Primeiro Ponto

 

                   E naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas, a uma cidade de Judá. E entrou em casa de Zacarias,  e saudou Isabel. E aconteceu que, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou no ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo; e exclamou em alta voz, e disse: Bendita és tu entra as mulheres, e bendito é o fruto do seu ventre. E donde a mim esta dita, que a Mãe do meu Senhor venha ter comigo? Porque, logo que a voz da tua saudação chegou aos meus ouvidos, o menino exultou de alegria no meu ventre. E bem-aventurada tu, que creste, porque se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas. (Lc. 1, 39-45)

 

                   Maria nos dá o exemplo de quanto nós devemos ser sensíveis, o quanto devemos ser flexíveis, o quanto devemos estar prontos para atender às inspirações que Deus põe em nossas almas.

                   Quantas e quantas vezes, ao longo de nossa vida, temos essas ou aquelas inspirações, temos esses ou aqueles toques interiores da graça, sentimos em nossa alma que devemos empreender um caminho, ou então, abandonar algo que nos prejudica, que nos leva a ofender a Deus. Quantas vezes sentimos a voz da consciência, ou a própria voz de Deus convidando-nos a empreender um caminho...

                   Nossa Senhora foi visitar Santa Isabel, não porque pudesse haver qualquer resquício de dúvida sobre o que lhe tinha dito o Anjo, ou então, que este a tivesse enganado. Jamais isto teria acontecido. Ela foi visitar a prima porque recebeu uma inspiração de fazê-lo, foi tocada por uma graça, recebendo assim, um impulso em seu interior, e obedecendo a este prontamente.

                   Maria vive dentro da contemplação de Deus, que se encontra no mais intimo de seu coração. A Segunda Pessoa da Santíssima Trindade estava sendo formada enquanto homem em seu claustro virginal. Por isso, quanta razão  tinha Ela para ficar em casa, contemplando este Deus que estava sendo gestado em seu interior. Entretanto, recebida a inspiração, não titubeou. Põe-se a caminho.

                   ¨...Levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas...¨  De fato, a cidade de Santa Isabel ficava em uma região montanhosa, e a distância da cidade de Nazaré até lá eram de três a quatro dias de caminhada. Era, portanto, uma viagem penosa e difícil, mas Maria está satisfeita, está alegre, e é esta alegria que a coloca em movimento, faz com que abandone as comodidades e se ponha a caminhar.

                   Exemplo magnífico para nós: quando formos tocados por uma graça para seguir um determinado caminho, ou por alguma inspiração de Deus convidados a abandonar uma situação que nos é agradável, ou então, quando há uma situação que nos leva ao pecado, sejamos rápidos, tenhamos pressa, e imitemos  Nossa Senhora em sua predisposição para cumprir o dever.

                   Vamos, então, neste primeiro ponto de nossa meditação, pedir a graça de poder imitá-La:

                   Ó  Mãe Santíssima, neste versículo do Evangelho que meditamos, vimos o quanto Vós sois para nós um exemplo. Vós, ó Mãe minha, puseste-vos a caminho com toda a diligência, quando todas as comodidades Vos convidavam a ficar em casa, muito especialmente pelo fato de Vós serdes a Mãe de Deus e estardes com o próprio Deus Nosso Senhor em vosso interior. Vós podíeis perfeitamente ficar na segurança de vosso lar; entretanto, apressastes-vos em ir ter com aquela que seria a mãe de São João Batista.

                         Minha Mãe, dai-me a graça de nunca ser lento em atender às inspirações de Deus, sobretudo - se bem que isto nunca se tenha dado convosco, mas dá-se muito freqüentemente comigo -, quando algum pecado, alguma ocasião próxima, alguma relação de amizade me afasta do bom caminho. Portanto, quando eu receber um toque de minha consciência, ou um toque da graça, ou mesmo uma inspiração obtida por Vós a fim de me ajudar, que eu obedeça prontamente à Vossa vontade.

 

Segundo Ponto

 

                   ¨E aconteceu que, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou no ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo; e exclamou em alta voz, e disse: Bendita és tu entra as mulheres, e bendito é o fruto do seu ventre...¨

                   Eis aí o efeito da presença de Nossa Senhora, o efeito da devoção a Ela. São João Batista três meses antes de nascer, já foi santificado por Maria.

                   É real que o convívio com os santos santifica. É real que a proximidade com uma pessoa santa sempre faz bem às almas que não se fecham às graças das quais ela é veículo. A influência de um santo é benéfica. Temos vários casos ao longo da história, como por exemplo, o de Santo Agostinho, que teve uma mãe santa e acabou por se santificar, em parte por causa desta influência. E por que isso? Porque a santidade é contagiante, assim como o mal. Os dois extremos são contagiantes: o bem, na sua santidade, contagia, e o mal, na sua maldade e hediondez, também contagia. Portanto, aí está.  Nossa Senhora não é somente santa. Ela é Santíssima, e por isso nós não dizemos “Santa Virgem”; dizemos “Santíssima Virgem”.

                   Maria era Santíssima no momento em que falou a Santa Isabel. Qual foi o efeito produzido? Santificação até de uma criança que estava sendo gestada. São João Batista saltou no ventre materno. E não é somente isto; pelas palavras de Maria, Santa Isabel, que era sua prima, no momento do cumprimento, logo que o timbre da voz de Maria penetrou em seus ouvidos, neste momento, o Espírito Santo tomou-a. O Divino Espírito Santo poderia perfeitamente tomar Santa Isabel sem o concurso de Nossa Senhora; Ele poderia santificar São João Batista sem a intervenção de Maria. Mas acontece que a simples presença d´Ela, por ser Santíssima, como que força o Espírito Santo a agir, e, talvez, até antes da hora. Nossa Senhora é aquela que propicia a santificação.

         Por isso, bom sinal de salvação eterna tem aquele ou aquela que é verdadeiramente devoto de Maria Santíssima. Ter esta verdadeira devoção à Mãe de Deus significa sinal de predestinação. E devemos agradecer a Deus pelo fato de hoje estarmos aqui nesta Catedral na celebração deste Primeiro Sábado do mês e do ano, no intuito de reparar o Sapiencial e Imaculado Coração de Maria, fazer a confissão, mesmo que seja dentro da oitava, rezar o terço, como o fizemos ainda há pouco, e receber a Eucaristia na Santa Missa que se seguirá. Tudo isso é dom de Deus, é privilégio, é como que um sinal de predestinação.

                  

 

*  *  *

 

                   Santa Isabel não teve inveja, mas, pelo contrário, é reconhecedora dos benefícios que Deus fez a Maria. Ela, tomada pelo Espírito Santo, externa e exclama  toda a admiração que tem por Nossa Senhora.

         Como isso é difícil de acontecer no gênero humano! Infelizmente somos feitos de comparações, vaidades, invejas, orgulhos. É comum no nosso relacionamento social termos casos de pessoas que não elogiam, que não reconhecem as qualidades do próximo, pelo contrário, até diminuem essas qualidades nos outros. Não foi o que se passou com Santa Isabel. Estando tomada pelo Espírito Santo, não vê o momento de externar tudo o que pensa a respeito daquela que seria a Mãe do Salvador, e não em voz baixa, porque a Escritura diz: ...e exclamou em alta voz, e disse: Bendita és tu entra as mulheres, e bendito é o fruto do seu ventre. Ou seja, reconheceu que Maria é bendita mais do que ela própria. Não nos esqueçamos que Maria é bem mais jovem que Isabel, esta era quase uma menina perto dela, e, entretanto, sendo mais idosa, reconhece as maravilhas, reconhece os dons que Deus deu a Nossa Senhora.

                   Magnífico exemplo para nós: reconhecermos as qualidades dos outros. E isso não é válido só para o gênero feminino, mas também para os homens. Devemos sempre reconhecer os valores do nosso próximo, e este reconhecimento é uma obrigação moral. Devemos mesmo comentar com os outros  sobre esse reconhecimento, e às vezes é necessário até exclamar em alta voz como narra o Evangelho: Bendita és tu entra as mulheres, e bendito é o fruto do seu ventre...

                   Santa Isabel estava também para dar à luz, mas ela reconhece que aquele que está sendo gerado pela prima, é maior do que o seu próprio filho. Uma mãe reconhecer que o filho de  outra é mais do que o seu filho, é sinal de grande virtude. Mas é precisamente esse grau de virtude que devemos almejar, que devemos desejar, a ponto de reconhecer aqueles que são mais do que nós.

                   (Neste momento, os sinos da Catedral começaram a soar, dando inicio ao cortejo para a Missa, que seria celebrada por S. E. o Cardeal Hummes).

                   Paremos por aqui a nossa meditação  e guardemo-la em nossos corações. Corramos os olhos depois sobre o restante do Evangelho deste Primeiro Sábado.

                   Agradeçamos a Nossa Senhora e, ao mesmo tempo, peçamos a Ela graças especiais para bem aproveitar esta celebração e assim repararmos o seu Imaculado e Sapiencial Coração.

 

 

Assim seja!

 

 

 



[*] OBS: Homilia adaptada à linguagem escrita, publicada sem conhecimento e/ou revisão do autor.

 

 

 

João Scognamiglio Clá Dias [*]

 

Pe. João Clá Dias

Índice de Homilias | Home

Copyright© Arautos do Evangelho 2008. Todos os direitos reservados.
Divulgação autorizada, citando a fonte.