RssVideosHomilaArtigos

HomilaLinha

 Meditação do Terceiro Mistério Glorioso

A descida do Espírito Santo sobre Nossa Senhora e os Apóstolos

"O Espírito do Senhor encheu todo o universo; ele mantem unidas todas as coisas e conhece todas as línguas, Aleluia"! - (Sb 1, 7)

Pe. João Clá Dias

Introdução:

Durante três anos Nosso Senhor, havia preparado os Apóstolos e discípulos, para a grande Missão de difundir o Evangelho pelo mundo. Imaginemos o maior e mais ilustre dos professores, o mais sábio e capaz dos mestres que a história tenha conhecido, não se compararia com Jesus Cristo, pois Ele além de ser o Mestre dos mestres, é acima de tudo Deus, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, o Verbo de Deus encarnado, o Homem-Deus, ele é a própria Sabedoria Encarnada.

O Divino Mestre tinha lhes dado a doutrina, o poder de perdoar os pecados, o poder de fazer milagres; tinham, portanto, todos os elementos para desempenhar a grandiosa missão, porém, sentiam-se inseguros, pois não se julgavam proporcionados para tal. Então, esperavam o auxílio especial que lhe havia sido prometido por Nosso Senhor: "recebereis a força do Espírito Santo, que descerá em vós e dareis testemunho de mim até os confins da terra! (At 1,8). Temos, então, reunidos diante de nossos olhos, recolhidos em oração no Cenáculo, a Virgem Maria, Santa Mãe de Deus, os 12 Apóstolos, mais de 120 discípulos à espera do Consolador por excelência, dispensador dos dons celestes.

Ave Maria,...

Oração Inicial:

Vinde Divino Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo de vosso Amor ! Ó Espírito Consolador, que descestes no cenáculo sobre os apóstolos e seus discípulos, operando neles a mais admirável transformação, vinde também sobre nós com a abundancia de vossos dons e frutos... Purificai o nosso coração de tudo o que nos afasta de Vós.

Oh! Mãe Santíssima, Rainha dos Apóstolos,Virgem e Esposa do Divino Espírito Santo vamos iniciar esta meditação para reparar o Vosso Coração Imaculado, na certeza que este triunfará plenamente.
Nós Vos pedimos, Senhora, dai-nos uma fagulha de Vosso Amor para bem meditarmos este mistério de Pentecostes.

Assim seja!

Ó Esposa predileta do Espírito Santo, Maria Imaculada suplicamos vossa poderosa intercessão, a fim de inflamar-nos no vosso amor e curai as nossas fraquezas, com a força de vossa unção". Amém.

I - A origem da festa de Pentecostes.

Trata-se originalmente de uma festa hebraica que se celebrava cinqüenta dias após a Páscoa.

Esta festa tinha sido estabelecida por Moisés, para lembrar a libertação do povo judeu do cativeiro do Egito. Na ocasião, Deus mandou que os hebreus imolassem um cordeiro, ao saírem do Egito, em direção à terra prometida... Foi uma pré-figura do Cordeiro de Deus – Jesus Cristo – comemorado na Nova Lei, que viria libertar os homens da escravidão do pecado. No qüinquagésimo dia depois da Páscoa, na festa do oferecimento das primícias da colheita – Pentecostes – deu-se à descida do Espírito Santo.

Quando se completaram os dias do Pentecostes, estavam todos juntos no mesmo lugar; e de repente, veio do céu um estrondo, como de vento que soprava impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam.

Apareceram-lhes repartidas umas como que línguas de fogo, que pousaram sobre cada um deles. Foram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar várias línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. (At. 2, 1-4)

Esta vinda do Espírito Santo, trouxe para a Igreja um acontecimento extraordinário. Veio dar fortaleza à Igreja de Cristo para vencer os obstáculos pelos quais teria que passar: Os Apóstolos teriam que enfrentar a morte, teriam que enfrentar o respeito humano, teriam que dar testemunho de Jesus Cristo em meio as maiores perseguições, as maiores repulsas, sofrer horrores de toda a ordem e por isso, precisavam de forças.

A Igreja como um tenro bebe... A Igreja tinha nascido, estava se constituindo, era ainda como um bebe, não tinha ainda atingido a idade adulta. É correlato com o que ocorre quanto ao Sacramento do Crisma. Quando recebemos o Batismo, começamos a participar da vida divina, recebemos graças e dons que são infundidos em nossa alma. Contudo não temos a suficiente fortaleza, a temperança e tantos outros dons e virtudes para enfrentarmos as adversidades. E era assim que estava a Igreja nascente, reunida no Cenáculo em torno de Nossa Senhora, mas os Apóstolos estavam extremamente temerosos.

Devemos nos lembrar que quando Jesus ressuscitou e apareceu no Cenáculo, encontrou as portas e janelas trancadas devido ao pavor de que lhes acontecesse algo de ruim. Foi preciso que Nosso Senhor ressuscitado dissesse três vezes: A paz esteja convosco! Essa paz que só chega à sua plenitude coma descida do Espírito Santo.

II- Os sinais da descida do Espírito Santo

Os efeitos da descida do Espírito Santo são impressionantes: ouvira-se um ruído insólito, vindo do céu, semelhante ao de um vento impetuoso, ao mesmo tempo em que sobre a cabeça de cada um repousara uma língua de fogo.

O ruído que vem do céu, um vento impetuoso, significam a plenitude dos dons que Ele vinha trazendo; plenitude tal, que os tornava aptos para as obras de Deus. É o ímpeto do amor que eles recebem, ao mesmo tempo em que se manifesta ali a grandeza de Deus.

O Espírito Santo desce com seus dons enchendo-os de consolação, de entusiasmo, eles se sentem transformados. Foi o que, séculos mais tarde, Santa Terezinha do Menino Jesus dizia que:

"Para o amor nada é impossível"!

Eles estavam cheios do Amor de Deus; eles que antes temiam diante de tão alta missão que lhes havia sido dada, agora estão cheios de ímpeto, de entusiasmo, ou seja, cheios de Deus.

São Cirilo de Alexandria, bispo do séc.V, comenta a transformação que se deu: Facilmente o Espírito os faz passar do amor das coisas terrenas à esperança das realidades celestes, e do temor e da indecisão à firme e generosa fortaleza de alma. Foi o que sucedeu com os discípulos: animados e fortalecidos pelo espírito, nunca mais se deixaram intimidar pelos seus perseguidores, permanecendo inseparavelmente unidos e fiéis ao amor de Cristo.

1 - Maria, Rainha dos Apóstolos, Mãe da Igreja.

Quando o Anjo São Gabriel apareceu a Maria e anunciou-lhe a dignidade mais sublime do que toda a grandeza criada: ser Mãe de Deus; nessa ocasião a Virgem Santíssima recebeu a plenitude de graças e que exigia perfeição indizível. Maria recebeu ao mesmo tempo a nobre e difícil missão de contribuir para a Redenção da humanidade; isso garantia-lhe luzes, dons, privilégios proporcionados a tão importante vocação.  Agora, no momento em que a Igreja se constituía para se manifestar ao mundo, difundir o Evangelho, etc., era indispensável também que Ela recebesse uma nova plenitude do Espírito Santo, para ser Mãe do Corpo Místico de Cristo.

2 – As línguas de fogo!

O mais característico que convém registrar são as línguas de fogo. Eles precisavam pregar e ela simboliza a facilidade que teriam de se exprimir, de explicar a doutrina de Nosso Senhor, a capacidade de proclamar, de ilustrar, de apontar, de ensinar o caminho da salvação.

Conhecemos a primeira pregação de São Pedro, um sermão lindíssimo, cujo resultado foram 3.000 pessoas convertidas. A Igreja nasce com três mil batizados neste dia de Pentecostes.

3 – Como era esse fogo!

Na vida diária, conhecemos o fogo produzido pelo gás de cozinha, pela lenha no forno, etc., e julgamos que é este o fogo que existe no inferno e tomamos este fogo como uma coisa má prejudicial, como um fogo que castiga. Ocorre que o fogo do inferno não tem alimentação material, ele é sustentado pelo próprio Deus. O mesmo se dá com o fogo do Purgatório. Mas o fogo da terra pode ser útil, pois o que seria de nós se não tivéssemos o fogo em nossas vidas, como iríamos fazer as nossas refeições? É por estas razões que julgamos que no céu não há fogo. Segundo alguns teólogos, no paraíso celeste existe fogo e esse fogo do céu é todo belo, benfazejo, é um fogo rejuvenescedor; é um fogo extraordinariamente caridoso que nos beneficiará; no céu o fogo é perfumado!

O fogo, feito de luz e calor, era o melhor elemento para simbolizar o ardor próprio à ação restauradora e entusiasmante do Espírito Santo. Ao pairarem sobre as cabeças de Maria e dos demais presentes, as chamas se apresentavam sob a forma de línguas de fogo. Nelas podemos ver simbolizadas as labaredas que a pregação daqueles varões suscitaria.

Assim, essas línguas de fogo que desceram sobre os Apóstolos é fogo vindo do céu, portando altamente caridoso; elas simbolizam o dom da palavra, o encanto, entusiasmo, o fervor que eles deveriam ter para converter todos os povos.

4 - O vento impetuoso,

O "vento impetuoso" pode ser visto como a chegada da torrente de graças que estavam sendo derramadas, inundando com resplendor do fogo a sala do Cenáculo. Eram graças místicas eficazes e superabundantes que "invadiram" a sala, indicavam a plenitude de Fé e amor que convinha aos anunciadores da Palavra de Deus. Além do fenômeno auditivo, e talvez sensitivo, terá havido um certo perfume?

A idéia nos parece plausível.

III- Enviai o vosso Espírito Criador!

O mundo moderno se encontra numa decadencia espantosa. Os homens parecem estar surdos à voz do Espírito Santo e se afundam cada vez mais no pecado e no esquecimento de Deus; vemos quanta maldade, violências e horrores de toda ordem fazendo progressos assustadores. Bastaria que Nosso Senhor, a rogos de Maria Santíssima, enviasse o Espírito da Verdade e do Amor sobre a Terra para que seja revertida essa situação e infligida a derrota completa ao inferno.

Por isso a Igreja, na pessoa de seus fiéis, reza há vinte séculos a súplica do salmista:

"Enviai o vosso Espírito criador e renovareis a face da terra"

Que maravilhas poderiam ainda vir, depois desse acontecimento? Se da primeira vinda nasceram tantas belezas da cultura e da civilização e, sobretudo, tantos milagres da graça – como testemunha a longa coorte de mártires, confessores, doutores e virgens que já gozam na eternidade – o que aconteceria se houvesse um novo sopro do Paráclito sobre a terra?

É por isso que devemos implorar, insistir para que o Divino Espírito Santo restaure a Ordem e renove a face da terra, ao encerrarmos esta meditação em reparação ao Imaculado Coração de Maria

Oração Final

Oh! Rainha dos Apóstolos, Rainha da Paz, nossa Mãe celeste todo feita de amor a Deus, contemplamos nesta meditação o papel fundamental que tivesteis neste mistério de Pentecostes, enquanto Medianeira que obteve de Deus a vinda da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade; tão magnífica que transformou inteiramente os Apóstolos, os discípulos e deu início a Santa Igreja Católica. Contudo, Senhora, hoje nos encontramos numa situação pior do que a daqueles tempos; tudo quanto pedis sois atendida, pedi também agora, como Esposa do Divino Espírito Santo que Ele venha e converta a humanidade tão pecadora e assim podermos cantar e proclamar cheios de júbilo, o cântico de Vosso triunfo: Vosso Coração Imaculado triunfou!

Assim seja!

(Texto sem revisão do autor)

Pe. João Clá Dias

Índice de Homilias | Home

Copyright© Arautos do Evangelho 2008. Todos os direitos reservados.
Divulgação autorizada, citando a fonte.