RssVideosHomilaArtigos

HomilaLinha

Casamento de Nossa Senhora - Igreja matriz de Cascais (Portugal).jpg
Casamento de Nossa Senhora - Igreja matriz de Cascais (Portugal)

Naquele tempo, 2 alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-Lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher. 3 Jesus perguntou: "O que Moisés vos ordenou?" 4 Os fariseus responderam: "Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la". 5 Jesus então disse: "Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento. 6 No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. 7 Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. 8 Assim, já não são dois, mas uma só carne. 9 Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe!" 10 Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. 11 Jesus respondeu: "Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. 12 E se a mulher se divorciar de seu marido e casar com outro, cometerá adultério". 13 Depois disso, traziam crianças para que Jesus as tocasse. Mas os discípulos as repreendiam. 14 Vendo isso, Jesus Se aborreceu e disse: "Deixai vir a Mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas. 15 Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele". 16 Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mãos (Mc 10, 2-16).

Depois de restituir ao matrimônio a sua original pureza, o Divino Mestre ensina que a inocência deve reger o ser humano em qualquer estado de vida.

Mons João Cla Dias EP.jpgMons. João Scognamiglio Clá Dias, EP

I - A origem da instituição matrimonial

A Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum nos apresenta, em palavras da Revelação, uma perfeita síntese da moral católica a respeito do matrimônio. A primeira leitura (Gn 2, 18-24), extraída do Gênesis, explica claramente por que Deus criou o homem e a mulher. Valendo-se de um recurso literário de extraordinário valor, o Autor Sagrado descreve os fatos de maneira poética e atraente, como se Deus fosse aos poucos dando-Se conta das reações de Adão e agindo em consequência.

Deus criou Adão com instinto de sociabilidade


Ao criar o primogênito do gênero humano, Deus pôs em sua alma o instinto de sociabilidade, que se manifesta pela necessidade de uma companhia e por um desejo inextinguível de amar e de ser amado. Depois de o introduzir no Jardim do Éden, disse Ele: "Não é bom que o homem esteja só" (Gn 2, 18a), e fez desfilar diante de Adão todos os animais - que no Paraíso lhe obedeciam1 -, a fim de que lhes desse um nome. Deus assim o fez para que o primeiro homem, extremamente equilibrado, percebesse que, embora possuidores de rica simbologia, nenhum deles era capaz de preencher sua aspiração de amar, nem estava à sua altura, enquanto criatura racional. Terminado, pois, o cortejo da fauna criada por Deus, Adão desencantou-se, porque "não encontrou uma auxiliar semelhante a ele" (Gn 2, 20), e se sentiu só.

A Criação, por Giusto de Menabuoi Batistério de Catedral de Pádua (Itália)..jpg
Tendo em vista a realização do plano que Deus
arquitetara, homem e mulher deveriam ser "uma
só carne"


A Criação, por Giusto de Menabuoi
Batistério de Catedral de Pádua (Itália) 

Uma vez que chegou a esta conclusão, "Deus fez cair um sono profundo sobre Adão" (Gn 2, 21) - já que era conveniente causar-lhe surpresa - e retirou-lhe uma das costelas, da qual formou Eva. Bem poderia ter modelado outro boneco de barro, mas preferiu tirá-la dele, visando deixar patente que um era feito para o outro. Deste modo, promovia entre ambos uma união completa.2

Um trampolim para chegar até Deus

Ao despertar e deparar-se com a primeira mulher, Adão exclamou: "Desta vez, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne!" (Gn 2, 23). Ela lhe servia de complemento, era um ser com quem podia estabelecer uma relação que satisfizesse aquela apetência de amor com que o Todo-Poderoso o dotara, para uma altíssima finalidade. Destinado para Deus, o homem vive à sua procura, impulsionado por certo "instinto do divino" - correlacionado intimamente com o instinto de sociabilidade -, que não se sacia em nada da criação. Contudo, porque é composto de corpo e alma, precisa de algo externo que, pela via dos sentidos, lhe facilite a contemplação interior e lhe sirva de elemento de ligação com Deus, enquanto não O vê face a face.

Além disso, era impossível que a totalidade dos atributos divinos fosse representada tão só pelo varão, pois, por exemplo, Deus é fortaleza e vigor e, ao mesmo tempo, suavidade e afeto, extremos que em geral não cabem no gênero masculino. Por isso quis o Senhor dar-lhe uma "auxiliar semelhante" (Gn 2, 18b) - e não igual - que, conjugada com ele, o completasse, refletindo de Deus os aspectos contrários, mas harmônicos. Assim - tendo em vista a realização do plano que, desde todo o sempre, Ele arquitetara para a humanidade -, homem e mulher deveriam ser "uma só carne" (Gn 2, 24), isto é, unir-se para constituir família, com o objetivo de gerar uma prole e educá-la nos caminhos de Deus.

É através desta troca de amores que a pessoa tem noção de quanto ela é estimada por Deus, e é neste relacionamento de doação recíproca que ela encontra um trampolim para chegar até o Infinito. Eis a base e a solidez de qualquer convívio! E não apenas entre os que se casam - e a isto é chamada a maioria -, mas ainda entre aqueles que, à imitação de Cristo Virgem, abraçam o celibato "por amor do Reino dos Céus" (Mt 19, 12) e realizam um conúbio com o ideal religioso, com a obrigação de fazer bem aos outros e de entregar-se ao apostolado. Como o matrimônio, também esta vocação é indissolúvel e, nos dois casos, aplica-se sem distinção a sentença de Nosso Senhor Jesus Cristo: "o que Deus uniu, o homem não separe!".

II - O plano original de Deus é restaurado e elevado


É uma lei da História que as maiores convulsões se produzem quando a verdade se manifesta onde impera a moral relativista, alheia a Deus. Foi o que se verificou, de forma arquetípica, com o aparecimento da Verdade com "V" maiúsculo: Nosso Senhor Jesus Cristo. O mundo inteiro estava, então, imerso numa terrível crise, sobretudo moral, da qual não escapava sequer o povo eleito. E Jesus, sem intervir na política nem instigar revolução alguma, mas apenas pregando sua doutrina, provocou um tremendo abalo em toda a Terra.

Expressivo, nesse sentido, é o episódio relatado no Evangelho deste domingo. Após o pecado original, a mulher foi sendo paulatinamente relegada da consideração do homem e a poligamia - que teve sua origem na linhagem de Caim (cf. Gn 4, 19) - tornou-se um hábito generalizado em muitas civilizações pagãs da Antiguidade, e era tolerada, inclusive, entre os hebreus. Mesmo sob o regime da Lei de Moisés, o trato dispensado ao elemento feminino estava marcado pelo desprezo. O Divino Mestre veio restabelecer a primitiva pureza da instituição do matrimônio.

Uma pergunta formulada com perversa intenção

Naquele tempo, 2 alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-Lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher.


Encontrava-Se o Divino Mestre evangelizando "a região da Judeia, além do Jordão" (Mc 10, 1). Enquanto ensinava as multidões, os fariseus, adeptos de uma moral de exterioridades, se aproximaram d'Ele. Não queriam aprender, mas destruir, como ressalta São Beda: "É de se notar a diferença que há entre o espírito do povo e o dos fariseus: o primeiro vem para ser instruído pelo Senhor, para que cure seus enfermos, [...] os últimos, para enganá-Lo, tentando-O".3

Moisés por Lorenzo Monaco Metropolitan Museum of Art, Nova York.jpg
Ao situar Moisés no centro da discussão,
Nosso Senhor põe os fariseus
"contra a parede"

Moisés, por Lorenzo Monaco
Metropolitan Museum of Art, Nova York

Cientes de que o Redentor já havia defendido o casamento indissolúvel (cf. Mt 5, 31-32), seus adversários quiseram pô-Lo à prova, confrontando-O com Moisés, que permitira o divórcio. Pretendiam, assim, colocá-Lo numa posição difícil, pois se Ele respondesse com uma negativa, estaria Se pronunciando contra o profeta; se dissesse que sim, rejeitaria sua própria doutrina. Ademais, tanto uma quanto outra solução dividiria a opinião pública, dado que os judeus seguiam as mais variadas tendências a esse respeito.

A Sabedoria Divina desmonta uma armadilha humana


3 Jesus perguntou: "O que Moisés vos ordenou?"

Nosso Senhor é a Sabedoria Eterna e Encarnada e, enquanto Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, não só conhece tudo, desde toda a eternidade, como também contempla tudo num perpétuo presente, pois para Ele não há passado nem futuro. Enquanto Homem, sua Alma foi criada na visão beatífica, dotada de ciência infusa e, portanto, em constante e plena consonância com sua visão divina. Para Ele, então, não constituía novidade o fato de Lhe apresentarem tal problema. Sabendo qual era o péssimo intuito dos fariseus ao montar aquela armadilha, Jesus responde com inteira naturalidade e de modo peremptório, indo diretamente ao ponto aonde tencionavam levá-Lo. Os interpeladores, uma vez descobertos, tiveram que confessar suas intenções.

A lei positiva deformada pela casuística


4 Os fariseus responderam: "Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la".

Com efeito, estava consignado por Moisés que o marido podia despedir sua mulher "por descobrir nela qualquer coisa inconveniente" (Dt 24, 1). Termos muito genéricos, que - como sói acontecer - com o tempo deram margem a numerosas controvérsias entre os estudiosos da Lei. Discutiam eles os casos em que tal concessão seria cabível, mas como não eram dotados de infalibilidade - da qual goza o ­Papa para não errar em matéria de Fé e de moral -, se desviaram, chegando a extremos inimagináveis nas suas interpretações e multiplicando as casuísticas até o absurdo. Alguns eram rigoristas, partidários das maiores restrições na aplicação do preceito; outros, laxistas, favoráveis a uma dissolubilidade quase sem limites do matrimônio. Estes últimos eram da opinião de que se a mulher deixasse queimar a comida, o marido já tinha motivo suficiente para repudiá-la.4 Além de ser uma insensatez que feria o próprio direito natural, a facilitação do divórcio concorria para desvalorizar cada vez mais a mulher e escravizar o homem às suas próprias paixões.

Ora, isto não condizia com o desígnio de Deus ao criar Eva da costela de Adão. Se fosse da vontade d'Ele "que o homem pudesse deixar uma e tomar outra, depois de criar um só varão teria formado muitas mulheres",5 pondera São João Crisóstomo. Adão ficou agradado ao contemplar Eva porque viu nela o que não encontrara em nenhum dos animais, isto é, um ser racional, capaz de entrar em consonância com ele para, juntos, subirem até Deus, num mútuo aperfeiçoamento, em que as qualidades fossem "se temperando e se equilibrando umas às outras, e as virtudes comunicando umas às outras nuances harmoniosas".6

Uma permissão motivada pela dureza de coração


5 Jesus então disse: "Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento".


Ao situar Moisés no centro da discussão, Nosso Senhor põe os fariseus "contra a parede", pois lhes demonstra que aquela era uma lei humana, embora promulgada sob inspiração divina. O grande legislador não havia errado; todavia, tanto aquela permissão quanto a poligamia, no Antigo Testamento, não eram senão uma contingência, provocada pela dureza de coração dos hebreus. Em suma, "o estado inferior da civilização dos israelitas daquela época, uma triste insensibilidade às ordens de Deus, um egoísmo desenfreado, tais eram as razões pelas quais Moisés havia tolerado o divórcio; e ainda esta tolerância visava restringir os abusos",7 comenta Fillion.

Tobias recebe a Sara em sua casa, por Peter Rittig Museu Nacional Germânico, Nuremberg (Alemanha).jpg
Seria suficiente restaurar o matrimônio em sua primitiva pureza ou haveria algo a
acrescentar a esta visão essencial?

Tobias recebe a Sara em sua casa, por Peter Rittig Museu Nacional
Germânico, Nuremberg (Alemanha)

No entanto, o Redentor veio para restabelecer a ordem. Tinha Ele o direito de decretar qualquer lei, não só enquanto Deus, mas também enquanto Profeta, previsto pelo próprio Moisés (cf. Dt 18, 15). Por conseguinte, sua palavra valia muito mais que a dele! A fim de evidenciar isto para os fariseus, Ele vai fazer uma afirmação rigorosa, apontando o plano original de Deus a respeito do casamento.

A primitiva pureza do matrimônio é restabelecida

6 "No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. 7 Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. 8 Assim, já não são dois, mas uma só carne. 9 Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe!"

Visto não ter chegado o momento de manifestar plenamente sua divindade - pois não a aceitariam -, Jesus apresenta um argumento irrefutável: as palavras da Escritura, inspiradas por Ele mesmo. Citando o texto do ­Gênesis, Se reporta ao princípio da criação, ou seja, ao relacionamento que existia entre homem e mulher antes do pecado: união santa, monogâmica e indissolúvel, em total conformidade com a natureza de ambos. Se esta situação foi alterada, deveu-se à dureza de coração das gerações posteriores, consequência da queda original.

Nesta passagem, o Salvador consagra o matrimônio na Nova Lei, restabelecendo o vínculo conjugal exclusivo e perene, que só a morte pode desfazer. Com efeito, este não permanece no Céu, como Jesus esclarece mais tarde, a propósito de uma discussão com os saduceus (cf. Mt 22, 30); trata-se de uma aliança permanente apenas nesta vida. O casamento é uma vocação, e os que forem chamados a abraçá-la hão de deixar seus pais "e os dois serão uma só carne". Ao instaurar o regime da graça, o próprio Redentor proporciona à humanidade a força para tornar isto possível.

Não é difícil imaginar o quanto esta sentença do Divino Mestre arranhou os fariseus... Em todas estas contendas, "sempre é Ele quem lhes cose a boca e põe freio ao desaforo de sua língua, e com isso os afasta de Si. Sem embargo, nem assim retrocedem em seu empenho. Tal é naturalmente a malícia, tal a inveja, descarada e insolente".8

O contrato natural elevado a Sacramento


10 Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. 11 Jesus respondeu: "Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. 12 E se a mulher se divorciar de seu marido e casar com outro, cometerá adultério".

A polêmica suscitou dúvidas nos discípulos, pois, nascidos naquele ambiente, conheciam muito bem as diversas teorias que circulavam acerca do matrimônio. Iria o Mestre, agora, mudar a Lei? Por isso fizeram perguntas a Jesus, e Ele aproveitou para expor esta doutrina com maior profundidade a seus mais próximos. Se o casamento é indissolúvel, o marido que se separa da mulher, ou vice-versa, e contrai uma nova união, comete adultério.

Dr Plinio.jpg
Deus não é tartamudo: "Cada ser é uma sílaba
única e perfeita da ação criadora de Deus
naquela gama

Plinio Corrêa de Oliveira na década de 1980

Surge, então, o problema: seria suficiente restaurar o matrimônio em sua primitiva pureza ou haveria algo a acrescentar a esta visão essencial? A resposta é simples. Nosso Senhor Jesus Cristo elevou o matrimônio - de si um contrato natural - à categoria de Sacramento. Na celebração das núpcias, os ministros são os próprios nubentes. Ao pronunciarem a fórmula pela qual manifestam o consentimento para sua união, além de terem aumentada a graça santificante, lhes é dada uma assistência especial para mais facilmente manterem a fidelidade mútua e cumprirem os deveres de seu novo estado.

União de dois que resolveram abraçar juntos a cruz

Isto quebra a ideia romântica - tão difundida pelas produções cinematográficas de Hollywood e pelas novelas televisivas - de que a vida matrimonial é uma realidade feita de rosas... Sim, há rosas perfumadas, de pétalas muito bonitas, mas com caules crivados de espinhos terríveis... Porque não existem dois temperamentos iguais! Se não há dois grãos de areia ou duas folhas de árvore idênticas, menos ainda duas criaturas humanas, pois quanto mais se sobe na escala dos seres, maior é a diferença entre eles. A utopia da igualdade absoluta dos homens é uma loucura! Costumava dizer o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira que Deus não é tartamudo e, portanto, não repete suas obras: "Cada ser é uma sílaba única e perfeita da ação criadora de Deus naquela gama, o que é verdadeiramente uma maravilha".9

Às vezes há processos de separação por causa de bagatelas. Qual a raiz de tais desentendimentos? A dificuldade em aceitar a Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo, da qual, na segunda leitura (Hb 2, 9-11), nos fala São Paulo: "Convinha de fato que Aquele, por quem e para quem todas as coisas existem, e que desejou conduzir muitos filhos à glória, levasse o iniciador da salvação deles à consumação, por meio de sofrimentos" (Hb 2, 10). Para nos redimir, bastaria que Jesus oferecesse ao Pai um gesto - pois todos os seus atos têm mérito infinito -, mas Ele preferiu padecer os tormentos da Crucifixão, o suplício mais ignominioso daqueles tempos, dando-nos assim o exemplo de como devemos abraçar a nossa própria cruz.

É o Apóstolo que, escrevendo aos efésios, se refere ao matrimônio como símbolo da união entre Nosso Senhor Jesus Cristo e a Santa Igreja (cf. Ef 5, 22-32). O Salvador a ama a ponto de por ela ter derramado todo o seu Sangue, e é essencial que os cônjuges estejam dispostos a fazer o mesmo um pelo outro. Só quando ambos se determinam a abraçar a cruz e carregá-la juntos, o matrimônio atinge sua plenitude e seu esplendor. Desta forma, "onde há uma só carne, há um só espírito: rezam unidos, se prostram unidos, jejuam unidos; se instruem mutuamente, se exortam mutuamente, se alentam mutuamente. São iguais na Igreja de Deus, no banquete de Deus, nas provas, nas perseguições e nos consolos".

Não nos iludamos! Em qualquer estado de vida, o verdadeiro caminho a ser trilhado é o da cruz! Depois do pecado original, ela sempre estará presente no convívio social, havendo desavenças e desencaixes inclusive entre esposos. Falsa seria a afirmação de que é possível existir um casal tão inteiramente harmônico, que cada um dos consortes nunca tenha de fazer esforço para adaptar-se ao outro. Daí a importância do Sacramento, que "purifica os olhos da natureza, faz suportáveis as desgraças, enternecedoras as enfermidades, amáveis a velhice e os cabelos brancos. A graça torna o amor paciente. Ela o fortifica face ao choque dos defeitos com que ele se deparou".11

Age com grande insensatez quem se baseia na estrita beleza física ao contrair matrimônio, esquecendo-se de que, com o correr dos anos, a fisionomia e a pele vão adquirindo outra aparência... Pior ainda é o erro no qual incorre quem se casa por sensualidade, acreditando na mentira de que a felicidade está em dar vazão a paixões voluptuosas no relacionamento matrimonial. Neste não pode haver libertinagem; cada um deve respeitar a si mesmo e o outro, tendo como objetivo a prole. O que se fizer sem esta intenção é pura e simplesmente pecaminoso, como ensina Santo Agostinho: "tudo quanto os esposos realizem contra a moderação, a castidade e o pudor é um vício e um abuso, que não provém do autêntico matrimônio, mas sim de homens mal refreados".12 Soltar as rédeas das paixões é inconcebível em qualquer circunstância, pois o combate a elas é o cerne de nossa luta e de nossa cruz.

III - A inocência, sustentáculo de qualquer estado de vida

Uma vez que - como até agora consideramos - o Evangelho de hoje se centra no casamento, poderíamos julgar descabidos neste contexto os próximos versículos, dedicados ao convívio de Jesus com as crianças. Na verdade, eles complementam o tema e indicam qual a postura ideal do homem na sociedade.

Batismo na Basilica de Nossa Senhora do Rosario.jpg
Aos pais compete oferecer à Igreja seus próprios filhos, a fim de que esta
 fecundíssima mãe os regenere pela água do Batismo


Batismo na Basílica de Nossa Senhora do Rosário, 20/10/2013 

É evidente que Deus quer o crescimento do gênero humano, com o intuito de povoar o Céu com mais filhos e filhas. Tal conquista foi por Ele condicionada à união do homem e da mulher. "Levem em conta, portanto, os pais cristãos, que não estão destinados unicamente a propagar e conservar o gênero humano na Terra, mais ainda, nem sequer a educar qualquer classe de adoradores do Deus verdadeiro, mas a enxertar nova descendência na Igreja de Cristo, a procriar cidadãos dos Santos e familiares de Deus [...]. A eles compete oferecer à Igreja seus próprios filhos, a fim de que esta fecundíssima mãe dos filhos de Deus os regenere à justiça sobrenatural pela água do Batismo e se tornem membros vivos de Cristo, partícipes da vida imortal e, por fim, herdeiros da glória eterna".13 Ou seja, não basta que nasçam crianças; incumbe também à família a missão de lhes conservar a inocência.

Uma concepção autossuficiente da vida espiritual


13 Depois disso, traziam crianças para que Jesus as tocasse. Mas os discípulos as repreendiam.

Certamente eram as mães que, movidas pelo instinto materno, levavam seus filhinhos até Jesus, em busca do melhor para eles. Nosso Senhor era capaz de obter qualquer benefício, por mais extraordinário que fosse - afinal, tão só por tocar seu manto os doentes ficavam curados! -, e talvez tivessem percebido que quando acariciava a cabeça de alguma criança, ela se tornava mais inteligente. Conduziam, pois, os pequeninos para perto do Salvador, a fim de que, impondo-lhes as mãos, lhes concedesse saúde, força, sabedoria e, sobretudo, graças. Ora, com sua vivacidade infantil, faziam ­alvoroço em volta d'Ele... Por este motivo, alguns comentaristas sugerem que os Apóstolos estavam preocupados em pôr ordem na multidão e, para evitar que as crianças atrapalhassem o Mestre, repreendiam-nas.

A realidade, porém, é mais profunda. Não só as mulheres - conforme consideramos acima -, mas também as crianças eram tratadas com desprezo na Antiguidade, situação que só mudaria pelos efeitos do preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. De acordo com a mentalidade israelita, a prática da Religião competia exclusivamente aos homens e partia de uma iniciativa própria: a pessoa, depois de uma detida análise, tomava a resolução de seguir as sendas de Deus; logo, ela mesma era a causa de sua adesão à Fé. Mais tarde, Jesus retificaria este conceito, ensinando aos seus: "Não fostes vós que Me escolhestes, mas Eu vos escolhi" (Jo 15, 16). Por isso, tanto os fariseus quanto os discípulos reputavam as crianças elementos alheios à Religião. Assuntos relativos ao Reino dos Céus se discutiam com gente madura, capaz de raciocinar e descobrir por si onde estava a verdade.

Para entrar no Reino, precisamos ser dependentes de Deus

14 Vendo isso, Jesus Se aborreceu e disse: "Deixai vir a Mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas".


"Vendo isso" - o erro clássico de supor que a salvação é fruto do esforço -, o Divino Redentor ficou entristecido. Ao afirmar que o Céu pertence àqueles que são como as crianças, ensina que a iniciativa é tomada por Deus, pois é Ele quem distribui as graças, designa a cada um sua vocação e santifica. Cabe-nos aceitar seu chamado como crianças em relação a Deus, e como adultos no governo das criaturas.

Quem é pequenino não se julga um colosso nem autossuficiente, mas dependente; é o que Nosso Senhor elogia e aponta como modelo a ser imitado. Segundo explica São João Crisóstomo, "a alma do menino está limpa de todas as paixões. [...] E por mais que sua mãe o castigue, vai buscá-la e a prefere entre todos os outros. [...] Daí o Senhor dizer: ‘Deles é o Reino dos Céus', a fim de que façamos por livre vontade o mesmo que o menino tem por dom da natureza".14

A fórmula para conquistar o Céu

15 "Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele". 16 Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mãos.


Compenetremo-nos disto: somos criaturas contingentes, necessitamos do auxílio de Deus! É preciso ser "como uma criança" para reconhecer a vontade d'Ele e cumpri-la: seja no matrimônio, com a disposição de harmonizar-se com o cônjuge; seja no estado religioso, com a alma aberta a tudo o que vem do alto, à maneira do filho dócil aos ensinamentos dos pais.

Deixai que as crianças venham a Mim.jpg
Ser como criança significa também ser inocente, isto é, ter a alma
 semelhante a um cristal que nunca foi riscado

"Deixai que as crianças venham a Mim" - Coleção particular

Ser como criança significa também ser inocente, isto é, ter a alma semelhante a um cristal que nunca foi riscado: límpida, transparente e cheia de luz, jamais manchada por qualquer falta. O Reino de Deus é constituído por aqueles que se empenham em conservar a própria inocência e a dos demais. Quando rezamos no Pai-Nosso "venha a nós o vosso Reino", devemos arder do desejo de que na Terra e em nosso interior se estabeleça a supremacia da inocência! Se abraçarmos este ideal, seremos abraçados por Nosso Senhor, porque Ele abençoa os que se fazem pequenos.

Entretanto, quem perdeu a inocência, não pense estar numa situação irremediável. Este tesouro pode ser restaurado, como se verificou no caso de Santa Maria Madalena, de Santo Agostinho e tantos outros, ao longo dos tempos. E é sobretudo no amor à Inocência que recuperamos a nossa inocência!

A fonte de nossa inocência, conservada ou restaurada


Em síntese, a Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum é uma apologia da inocência. Ouvimos as palavras de São Paulo na segunda leitura: "Aquele, por quem e para quem todas as coisas existem" - Jesus Cristo - "e que desejou conduzir muitos filhos à glória". Sim, Ele quer os filhos nascidos da união entre o homem e a mulher para levá-los, inocentes, à eterna bem-aventurança! "Pois tanto Jesus, o Santificador, quanto os santificados, são descendentes do mesmo ancestral; por esta razão, Ele não Se envergonha de os chamar irmãos" (Hb 2, 11). Eis a causa de toda a inocência, a fonte de nossa vida espiritual! Cada um de nós esteve na mente de Deus desde toda a eternidade e, em certo momento, passou a existir. No campo sobrenatural temos a mesma origem de Nosso Senhor Jesus Cristo, somos todos irmãos, pertencemos à família divina, e é com vistas a aumentar o número de seus membros que foi instituída a família terrena. Peçamos o indispensável amparo da graça para conservarmos intacta a inocência, ou para reconquistá-la, e sejamos arautos da Inocência Eterna, Nosso Senhor Jesus Cristo, e da Inocente por excelência, Maria Santíssima. Brilhe a inocência sobre a face da Terra de forma gloriosa, portentosa e extraordinária, e divida a História, como Cristo o fez, sendo pedra de escândalo para salvação de uns e condenação de outros! (Revista Arautos do Evangelho, Outubro/2015, n. 166, pp. 8 à 17)

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias

Índice de Artigos | Home

Copyright© Arautos do Evangelho 2008. Todos os direitos reservados.
Divulgação autorizada, citando a fonte.