RssVideosHomilaArtigos

HomilaLinha

"A pesca milagrosa" - Igreja de São Pedro, Gramado (RS)
pesca_miraculosa_r1_c1.jpg
pesca_miraculosa_r2_c1.jpg
pesca_miraculosa_r3_c1.jpg
Lourenço Ferronatto

Evangelho

"Naquele tempo, 1 Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus. 2 Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3 Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.
4 Quando acabou de falar, disse a Simão: ‘Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca'. 5 Simão respondeu: ‘Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes'. 6 Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. 7 Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem.
8 Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: ‘Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!'. 9 É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10 Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: ‘Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens'. 11 Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus" (Lc 5, 1-11).

O contraste entre a grandeza do chamado cristão e as limitações humanas faz com que muitos se julguem incapazes de cumprir a própria vocação. A pedagogia divina nos transmite um ensinamento diferente.

mons_joao_scognamiglio_cla_dias_ep.jpgMons. João Scognamiglio Clá Dias, EP

I - Deus nos protege e ensina

Inegável é a força de expressividade do reino animal para o homem, sobretudo quando oferece à sua análise circunstâncias que lembram situações e pequenos fatos da vida humana. Tais atrativos da fauna, tão habituais nas regiões campestres, despertam particular atenção quando colocam em evidência um dos seus mais ricos e vigorosos predicados: o instinto materno. Manifesta- se este não só no zelo pela alimentação e proteção dos filhotes, como também no cuidado de prepará-los para lhes permitir sobreviver em meio às vicissitudes da existência.

Não há quem, transitando por alguma rua de terra numa localidade rural, não tenha visto a característica cena: uma galinha cruzando o caminho, seguida por um de seus pintainhos. Enquanto o pequenino tenta, com não pouco esforço, acompanhar a mãe - pois a desproporção entre ambos obriga-o a dar vários passos para percorrer a distância que a galinha transpõe com apenas um -, ela parece ignorar os apuros do filhote, em virtude da velocidade de seu deslocamento. Mas, na verdade, está tão atenta à cria que, se perceber qualquer sinal de ameaça, sua reação para defendê-la será imediata e enérgica, mostrando-se disposta a dar a própria vida, se necessário for, para resguardá- -la do perigo.

Ora, o instinto materno - muito mais profundo no gênero humano - é um tênue reflexo dos desvelos d'Aquele que, além de Criador, quis estreitar seu relacionamento com o homem, elevando-o à condição de filho, ao fazê-lo partícipe de sua própria vida divina pela graça, como exclama São João: "Olhai que amor teve o Pai para nos chamar filhos de Deus, e nós o somos!" (I Jo 3, 1).

Como verdadeiro Pai, o Altíssimo não cessa de proteger, amparar e atrair a Si todas as criaturas humanas, velando continuamente por elas. E, excedendo de modo infinito os cuidados empregados pela mãe ao predispor os filhos para bem enfrentar a vida, o Divino Didata conduz os homens - por meio de processos tão diversos quanto o são as almas - à realização da vocação específica que sua Sabedoria outorga a cada um.

Passemos, agora, a considerar o Evangelho deste 5º Domingo do Tempo Comum, a partir dessa perspectiva.

II - A pesca milagrosa

O encontro de Nosso Senhor com os primeiros discípulos, relatado por São João (cf. Jo 1, 35-42), é pressuposto importante para compreendermos o trecho do Evangelho apresentado pela Liturgia. Ao contrário das escolas rabínicas e gregas da época, nas quais os homens ingressavam movidos por uma escolha pessoal, o próprio Jesus, com autoridade divina, elegeu seus seguidores, como Ele mesmo afirmou: "Não fostes vós que Me escolhestes, mas Eu vos escolhi" (Jo 15, 16). Acompanhando-O durante o ministério preliminar, esse pequeno grupo recebia os ensinamentos de Cristo e presenciava seus milagres, a começar pelo das Bodas de Caná; nessa ocasião o Mestre "manifestou a sua glória e os seus discípulos creram n'Ele" (Jo 2, 11).

 Sergio Hollmann
ecce_agnus_dei.jpg
"Ecce Agnus Dei", por Jost Haller - Museu Unterlinden, Colmar (França)

No entanto, os primeiros seguidores do Messias não foram logo de início constituídos apóstolos. Tal encargo os levaria a estreitar os vínculos de união com o Mestre, fazendo-os participar do próprio poder d'Ele, além de exigir a dedicação integral à vocação, assim como o abandono dos seus e das ocupações alheias ao serviço missionário. Antes de receber esse chamado - para o qual Jesus os preparava de maneira paulatina, com sublime pedagogia -, conciliavam o tempo entre o discipulado e as atividades profissionais, necessárias para a subsistência própria e das respectivas famílias. Para Simão, André e os dois filhos de Zebedeu - Tiago e João -, todos pescadores, isso significava longas jornadas, com muita frequência noturnas, sobre as piscosas águas do lago de Genesaré.

É precisamente após uma dessas noites que se dá o fato descrito na passagem de São Lucas hoje contemplada.

Pregação às margens do lago de Genesaré

"Naquele tempo, 1 Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se a seu redor para ouvir a palavra de Deus".

O quadro geográfico no qual se situa o lago de Genesaré permite considerá-lo como autêntica preciosidade da natureza. Enquanto montanhas sóbrias e de contorno regular o circundam a leste, elevações de perfil tortuoso e desigual formam uma peculiar cordilheira a oeste. Completando a riqueza do panorama, na direção setentrional divisa-se o Monte Hermon, com seu cimo coberto de neve durante boa parte do ano. Contudo, apesar de tal beleza natural, poucas são as referências ao lago no Antigo Testamento,1 pois ele só se tornou célebre após ter sido palco das numerosas passagens da vida do Redentor, descritas nos Evangelhos. A primeira delas, segundo a cronologia, é esta relatada por São Lucas.

Sergio Hollmann
a_barca_da_igreja.jpg
“A barca da Igreja” - Afresco da Santa Cueva, Manresa (Espanha)

Após narrar diversos milagres e pregações de Jesus, na Galileia, logo no início de sua vida pública, o Evangelista registra sua retirada para um lugar afastado; todavia as multidões "foram até onde Ele estava e queriam detê-Lo, para que não as deixasse" (Lc 4, 42). Mais do que pelos prodígios e ensinamentos, o povo O seguia devido à extraordinária atração exercida por Ele. O desejo de vê-Lo, ouvi-Lo e estar próximo d'Ele fazia com que a aglomeração dos seguidores, reunida agora às margens do lago, se comprimisse ao redor de Nosso Senhor, criando uma situação pouco propícia à pregação.

2 "Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes".

Naquela época o lago de Genesaré era centro de intensa atividade pesqueira, que constituía o principal meio de subsistência da população local. Como o exercício da profissão exigia sempre a ação em conjunto, os pescadores se reuniam em pequenas equipes, sendo comum duas ou mais dessas corporações se associarem. Com barca própria e sob a direção de um arrais, os grupos de consócios uniam esforços na faina de cada jornada e partilhavam o produto final obtido.

No episódio aqui contado, as duas embarcações - uma, de Simão; outra, de Zebedeu - haviam regressado após uma noite de vãs tentativas. Ao estado de desapontamento geral dos pescadores somavam-se os incômodos de outros fatores humanos, como o cansaço da noite passada em claro e a necessidade de lavar as redes, labor indispensável depois da pesca, fosse esta bem ou mal sucedida.

Segundo a cuidadosa pedagogia do Mestre, era assim, exaustos e sentindo-se fracassados, que os pescadores se encontravam nas condições ideais para receber a missão a eles reservada.

A barca, símbolo da Igreja

3 "Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões".

Como todos os atos de Nosso Senhor, a escolha da barca tem profundo significado. Os comentários a esse respeito são unânimes: com tal gesto, Cristo quis indicar a proeminente posição de Simão no colégio apostólico, o qual em breve seria constituído, simbolizando a barca a Igreja, então nascente. "A partir da Igreja, Jesus, pessoalmente ou através de Pedro, seu Vigário, instrui o mundo. ‘Onde está Pedro, aí está a Igreja'. Isto nos dá a medida da adesão que devemos professar à Sé de Pedro",2 explica o Cardeal Gomá y Tomás.

Ademais, um pequeno detalhe desperta nossa atenção: terá Jesus subido na barca estando ela na areia - sem molhar os pés, portanto - ou foi preciso dar alguns passos dentro da água, até chegar à embarcação? Tanto em uma quanto na outra hipótese, a areia se beneficiou por ser pisada pelo próprio Deus feito Homem. Terá o mesmo acontecido com a água? É uma das muitas curiosidades provocadas pelas sucintas narrativas evangélicas...

Aproveitando o natural declive da praia, onde o público se encontrava apinhado, o Mestre pediu a Simão que se distanciasse um pouco da margem, formando um original anfiteatro. Admirável era a poesia da cena: enquanto a embarcação balançava pausadamente nas águas ao sabor da ondulação, o Criador do Céu e da Terra, Deus Encarnado, doutrinava a multidão!

"Avança para águas mais profundas!"

4 "Quando acabou de falar, disse a Simão: ‘Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca'".

Com esta ordem de avançar "para águas mais profundas", o Redentor indicava a ousadia que deveria caracterizar as metas daqueles pescadores dali em diante, predispondo-os a uma ação mais ampla do que os limitados horizontes lacustres nos quais trabalhavam: o plano divino da salvação dos homens. Em outras palavras, Nosso Senhor pedia corações generosos.

Ora, Simão era pescador veterano, e a prática lhe dizia não haver a menor possibilidade de pescar algo na manhã seguinte a uma noite de trabalho infrutífero. Desse modo, tinha razões válidas e escusas suficientes para não atender à ordem de Jesus e poderia ter argumentado em favor de uma resposta negativa, valendo- se de seus conhecimentos na matéria e alegando ser inconveniente - ou até mesmo inútil - lançar as redes. Entretanto, agiu de modo diferente.

5 "Simão respondeu: ‘Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes'".

Longe de ser uma manifestação de falta de fé, a explicação dada por Simão - em um tom de voz que podemos conjecturar cheio de deferência - ratifica sua confiança na palavra do Mestre. Agindo de modo coerente, pratica um ato de perfeita obediência, pois, sendo experimentado, suspende o próprio juízo e cumpre de imediato a ordem recebida. Tal fé e docilidade à determinação divina, atributos imprescindíveis de um genuíno apóstolo, eram a resposta esperada por Jesus para realizar o milagre.

a_pesca_milagrosa.jpg
“A pesca milagrosa”, detalhe do Vitral dos Apóstolos Catedral
de Santa Maria, Chartres (França)

Pesca prodigiosa

6 "Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. 7 Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem".

Como resultado final da pesca, "obteve-se tal quantidade de peixes quanto quis o Senhor do mar e da terra",3 afirma São Gregório Niceno. Além de representar a messe abundante - para a qual, já prevenia os futuros Apóstolos, eram poucos os operários... -, Cristo também lhes mostrava a importância da harmonia e do mútuo auxílio entre eles. Sem a colaboração dos companheiros da segunda barca, teria sido impossível retirar das águas aqueles peixes, assim como para a evangelização do mundo seria necessária a união de forças dos Apóstolos, a fim de conduzir ao caminho da salvação cada uma das almas que a Providência lhes confiaria.

A fartura de peixes traz ainda outra marca da tão insuperável didática utilizada por Jesus: peritos na arte pesqueira, os discípulos logo concluíram não ser naturalmente explicável o acontecido. O Mestre já realizara um milagre sobre uma criatura inanimada, transformando a água em vinho nas Bodas de Caná, e agora, demonstrando pela primeira vez seu poder sobre a natureza animal, levava-os a compreender que dominava de modo absoluto todos os seres. Desta maneira, antes de convocar aqueles discípulos a segui-Lo sem reservas, quis Jesus manifestar seu poder sobre a criação através dessa pródiga pesca, para convencê-los de que Ele sempre os proveria em quaisquer necessidades temporais na vida missionária, facilitando-lhes a renúncia às preocupações terrenas.

Não obstante, o mais importante objetivo de Jesus era fazer Simão compreender - e, com ele, os demais discípulos - "que, se durante a noite inteira não havia pegado nada, era inútil todo seu esforço sem Cristo, como o são todos os nossos atos humanos sem a graça divina",4 explica Maldonado. O Salvador queria deixar consignado o quanto a missão de salvar as almas será continuamente uma pesca milagrosa, na qual o apóstolo figura como mero instrumento. Sua habilidade e diligência serão frustradas se não forem movidas pela voz d'Aquele que disse de Si mesmo: "Sem mim, nada podeis fazer" (Jo 15, 5).

A humildade, condição para corresponder ao chamado

8 "Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: ‘Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!'. 9 É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10a Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados".

Embora Pedro já tivesse presenciado outros milagres - inclusive a cura de sua sogra (cf. Lc 4, 38-39) -, ficou de fato impressionado diante do acontecido. E este é outro aspecto da pedagogia usada pelo Redentor: adaptar o chamado ao modo de ser e às aptidões de cada pessoa. "Era o milagre que faltava para convencer um pescador, como era Simão Pedro",5 comenta o padre Cantalamessa. Por essa mesma razão São Lucas nomeia Tiago e João, entre os outros pescadores, para assinalar como o ocorrido lhes tocara fundo a alma, pois, apesar de haverem testemunhado em outras ocasiões diversos prodígios do Mestre, "também ficaram espantados".

Pouco antes de retornar à Galileia, Jesus agira de forma semelhante à beira do poço de Jacó, ao oferecer à samaritana uma água que a saciaria para sempre (cf. Jo 4, 1-42). O assunto logo despertou a atenção da mulher: "Senhor, dá-me dessa água, para eu já não ter sede nem vir aqui tirá-la!" (Jo 4, 15) e, abrindo a alma à ação da graça, após esse encontro tornou-se propagadora de Nosso Senhor entre seus concidadãos, levando muitos samaritanos a crerem n'Ele.

No caso de Pedro, só nesse momento ele compreendeu a fundo a infinita diferença que o separava de Cristo, cuja grandeza a descomunal pesca evidenciava de modo particular a seus olhos de pescador. Veio-lhe, então, o imediato reconhecimento da própria insuficiência e, sentindo- se analisado pelo olhar de Jesus, percebeu em que medida Ele conhecia por inteiro o fundo de sua alma, bem como suas faltas. Compenetrado dessa condição de pecador, prostrou-se diante do Homem-Deus e pediu que dele se afastasse. Não cogitava ser tal manifestação de humildade o último precedente da missão que o aproximaria do Salvador de modo definitivo.

Pescador de homens

10b "Jesus, porém, disse a Simão: ‘Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens'".

Relacionando pela primeira vez o milagre com o chamado, o Mestre tranquilizou Pedro, "como se dissesse: Não te espantes, mas alegra- te e crê que estás designado por minha Providência a uma pesca superior. Outra barca e outras redes te serão dadas, porque até agora pescavas peixes com tuas redes, mas doravante, e em breve, pescarás homens através de tuas palavras, trazendo-os pela sã doutrina ao caminho da salvação".6

Convém notar que, associando o conceito de pesca ao apostolado, Jesus também deixava entrever a Pedro e a seus companheiros como "esse penoso ofício havia sido excelente escola de preparação para serem dignos discípulos do Messias. Nele haviam aprendido a paciência e o animoso trabalhar",7 observa Fillion. Com efeito, do mesmo modo que para obter peixes não temiam os perigos da noite e os demais contratempos da profissão, também audazes deveriam ser enquanto missionários, arriscando-se aos mais ousados lances de evangelização. Ademais, na pesca apostólica, cujas redes "impedem que pereçam os que foram colhidos, mas os conservam e os trazem do abismo até à luz",8 nunca deveriam desanimar, mesmo após muito se empenharem sem nada obter, sabendo esperar o momento propício para o agir da graça nas almas, o qual não depende dos esforços do apóstolo, mas, sim, da vontade de Deus.

Importante é ressaltar não ter Nosso Senhor confirmado nem negado a condição de pecador de Pedro, visando mostrar-lhe que Deus jamais outorga uma vocação em função das virtudes ou defeitos dos homens, conhecidos por Ele desde toda a eternidade. Um chamado resulta de um desígnio de sua infinita misericórdia. Jesus não se atém à consideração das fraquezas de Pedro, pois assim como elas não constituíram impedimento para sua escolha como Príncipe dos Apóstolos, também não o seriam para a realização de tal missão.

O principal fruto da pesca

11 "Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus".

Grande parte dos comentaristas reúne num só episódio os relatos dos sinópticos a respeito da vocação dos referidos Apóstolos, considerando o convite do Mestre, na resumida narração de São Mateus e de São Marcos, como tendo sido feito logo após os pescadores terem regressado com as barcas: "Vinde após mim e vos farei pescadores de homens" (Mt 4, 19; Mc 1, 17). Os dois primeiros Evangelistas o registram em forma de mandado oficial, dado a Pedro e André e, logo em seguida, a Tiago e João, o que, segundo São Lucas, havia sido prenunciado como missão de Pedro, em meio às águas: "Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens" (Lc 5, 10).

"Jesus, com sua graça, dá eficácia ao chamado, sua voz é ouvida sem demora nem réplica. ‘No mesmo instante', produzindo em suas almas um total desapego a tudo - parentes, amigos, relações, posses -, ‘deixando tudo', e sentindo uma atração irresistível por Jesus, ‘O seguiram', sem se preocupar aonde iam",9 aponta Gomá y Tomás. A conquista dos futuros Apóstolos fora o principal fruto da pesca milagrosa, confirmando a eficácia plena da didática do Divino Pescador.

III - Um chamado para todos os séculos

O eco do encargo entregue aos Apóstolos às margens do lago de Genesaré repercute ao longo dos séculos e chega também a nós, conclamando- nos à missão de trabalhar pela glória de Deus e da Igreja, quer sejamos clérigos, religiosos ou leigos. Como católicos, devemos buscar a edificação de uma sociedade conforme aos preceitos evangélicos e, para isso, cabe-nos a responsabilidade de atrair as almas dispersas no mar revolto do mundo moderno e levá-las à barca de Pedro.

 Gustavo Kralj
nosso_senhor_ensinando_aos_apostolos.jpg
"Nosso Senhor ensinando aos Apóstolos" - Museu de
Santo Isaac, São Petersburgo (Rússia)

Não obstante, não poucas serão as dificuldades para exercer tão elevada função, sobretudo quando nos deparamos com nossas próprias insuficiências e falhas. Diante dessa desproporção, avançar e lançar as redes se afigura como algo impossível. O que nos é necessário para corresponder a uma missão tão superior às nossas capacidades? É o próprio Mestre quem nos responde, pela pena de São Paulo: "Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força" (II Cor 12, 9).

Portanto, quanto mais nos sentirmos incapazes de cumprir a vocação à qual Deus nos chama, maior deve ser nossa confiança no poder da voz que nos convoca. É vendo uma atitude de humildade cheia de fé que Nosso Senhor opera a pesca milagrosa, deixando patente que os bons resultados não dependem das qualidades nem dos esforços humanos. Ele confunde os fortes deste mundo e conduz os fracos à realização de obras grandiosas (cf. I Cor 1, 27).

A exemplo de Pedro, sejamos generosos e confiantes, pois também em nossas vidas Cristo apareceu ordenando: "Duc in altum! Eu os quero como instrumentos para renovar a face da Terra! Não tenham medo, pois Eu mesmo lhes darei as forças para a obtenção de um glorioso resultado!"

1 No Antigo Testamento, as referências ao lago de Genesaré aparecem como "mar de Ceneret" (cf.Nm 34, 11; Js 12, 3; 13, 27). Entre os Evangelistas, apenas São Lucas registra "lago de Genesaré". São Mateus e São Marcos chamam-no "mar da Galileia" (cf. Mt 4, 18; 15, 29; Mc 1, 16; 7, 31). Mais tarde, Herodes deu- lhe o nome de "lago de Tiberíades", para lisonjear o Imperador Tibério, e assim o denomina São João em seu Evangelho (cf. Jo 6, 1; 21, 1).
2 GOMÁ Y TOMÁS, Isidro. El Evangelio explicado. Años primero y segundo de la vida pública de Jesús. Barcelona: Balmes, 1930, v.II, p.80.
3 SÃO GREGÓRIO NICENO, apud SÃO TOMÁS DE AQUINO. Catena Aurea. In Lucam, c.V, v.5-7; 8-11.
4 MALDONADO, SJ, Juan de. Comentarios a los Cuatro Evangelios. Evangelios de San Marcos y San Lucas. Madrid: BAC, 1951, v.II, p.478.
5 CANTALAMESSA, OFMCap, Raniero. Echad las redes. Reflexiones sobre los Evangelios. Ciclo C. Valencia: Edicep, 2003, p.196.
6 GARCÍA MATEO, SJ, Rogelio. El misterio de la vida de Cristo en los ejercicios ignacianos y en el "Vita Christi" Cartujano, de Ludolf von Sachsen. Antología de Textos. Madrid: BAC, 2002, p.103.
7 FILLION, Louis-Claude. Vida de Nuestro Señor Jesucristo. Vida pública. Madrid: Rialp, 2000, v.II, p.23.
8 SANTO AMBRÓSIO. Tratado sobre el Evangelio de San Lucas. L.IV, n.72. In: Obras. Madrid: BAC, 1966, v.I, p.227.
9 GOMÁ Y TOMÁS, op. cit., p.78.

(Revista Arautos do Evangelho, Fevereiro/2013, n. 134, p. 10 - 17)

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias

Índice de Artigos | Home

Copyright© Arautos do Evangelho 2008. Todos os direitos reservados.
Divulgação autorizada, citando a fonte.