RssVideosHomilaArtigos

HomilaLinha

EVANGELHO

Vitral da Igreja de St. Patrick, Roxbury (Estados Unidos)
Gustavo Kralj

30 "Tendo partido dali, atravessaram a Galileia. Não queria, porém, que ninguém o soubesse. 31 E ensinava os seus discípulos: ‘O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-Lo-ão; e ressuscitará três dias depois de sua morte'. 32 Mas não entendiam estas palavras; e tinham medo de Lhe perguntar. 33 Em seguida, voltaram para Cafarnaum. Quando já estava em casa, Jesus perguntou-lhes: ‘De que faláveis pelo caminho?'. 34 Mas eles calaram-se, porque pelo caminho haviam discutido entre si qual deles seria o maior. 35 Sentando-Se, chamou os Doze e disse-lhes: ‘Se alguém quer ser o primeiro, seja o último de todos e o servo de todos'. 36 E tomando um menino, colocou-o no meio deles; abraçou-o e disse-lhes: 37 ‘Todo o que recebe um destes meninos em Meu nome, a Mim é que recebe; e todo o que recebe a Mim, não Me recebe, mas Aquele que Me enviou'" (Mc 9, 30-37).

Estando com Seus discípulos na Galileia, o Divino Mestre lhes fala de perseguições, morte e ressurreição, em contraposição à ideia de um Messias meramente humano, restaurador do poder temporal de Israel. Diante deles abre-se um panorama inteiramente novo: humildade, desapego e serviço serão as características de quem quiser exercer a autoridade segundo o espírito de Jesus.

Mons. João Clá Dias, E.P.

I - A sociedade humana no Paraíso

Uma sociedade que se desenvolvesse no Paraíso Terrestre, composta por uma humanidade em estado de justiça original, seria regida pela graça divina e favorecida por dons preternaturais e sobrenaturais concedidos por Deus. Nela reinariam a plena harmonia e o total entendimento entre os homens, sem inveja nem rivalidades. Cada qual admiraria a virtude dos outros, alegrando-se com eles e desejando-lhes a maior santidade possível.

Aconteceu, contudo, que o homem pecou e foi expulso do Paraíso. Despojada dos dons de que gozavam nossos primeiros pais, a humanidade ficou sujeita à doença, à morte, ao desequilíbrio psíquico e a tantas outras mazelas.

Mais grave ainda, a alma perdeu o dom da integridade, pelo qual dominava a concupiscência e mantinha as paixões em perfeita ordem.1 Sem este dom, elas entraram em ebulição, tornando necessária ao ser humano uma contínua luta interior para poder governá- las. A inocência entrou em estado de beligerância para se preservar do pecado.

A causa mais profunda das dissensões

Consequências dessa desordem são a inveja e as rivalidades, principal causapor sua vez, das rixas e dissensões. Pois, como afirma o Apóstolo São Tiago na segunda leitura deste 25º Domingo do Tempo Comum, "onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más" (Tg 3, 16).

Com efeito, é a inveja um dos vícios mais perniciosos. Quem por ela se deixa levar, não conhece a felicidade. O invejoso está sempre se comparando com os outros, e quando se depara com quem o supera em qualquer ponto, logo se pergunta: "Por que ele é mais e eu menos? Por que ele tem e eu não?". Essa atitude torna ácida e amargurada a sua vida, causando toda espécie de dissabores e, por vezes, até de mal-estar físico.

Deste "por que" - proveniente em última análise do orgulho - decorrem os males todos. Bem claramente o aponta São Tiago: "De onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm, justamente, das paixões que estão em conflito dentro de vós?" (Tg 4, 1).

Quanta luta trava o homem hoje, por exemplo, para obter mais dinheiro, mais poder ou mais prestígio, recorrendo muitas vezes a meios ilícitos ou até criminosos! Em quantas misérias morais cai ele, para atingir esse objetivo!

Contudo, mesmo tendo acumulado imensa fortuna, ou galgado o suprassumo do poder, nunca estará satisfeito. Sempre quererá mais, porque a alma humana é insaciável, por natureza, uma vez que é feita para o infinito, para o absoluto, para o eterno.2 Daí conclui São Tiago: "Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir" (Tg 4, 2).

Enorme esforço faz o homem ganancioso para obter algo que, em vez de trazer-lhe a felicidade, o fará perder a paz de alma!

A santidade faz recuperar o equilíbrio perdido

Durante o trajeto, o Divino Mestre instruía os
discípulos por meio do convívio, dando-lhes
a conhecer tudo quanto ouvira do Pai
Vitral da Igreja de St. Patrick,
Roxbury, Estados Unidos

Para vencer as paixões desregradas e recuperar o equilíbrio de alma perdido por causa do pecado, há apenas um caminho: abraçar as vias da santidade.

Na luta constante contra as próprias paixões, procurando submetê-las à Lei Divina, irá o homem restaurando a inocência primitiva, e, com isso, suas reações de alma se tornarão cada vez mais semelhantes àquelas que teria no Paraíso. O que ali lhe seria fácil, custalhe agora, nesta terra de exílio, grande esforço, dura luta interior e muita ascese, acompanhados do indispensável auxílio da graça. Pois sem esta nenhum homem é capaz de dominar a tremenda ebulição das próprias paixões.

Portanto, o Reino de Deus prosperará nesta terra na medida em que houver entre os homens almas santas, faróis de virtude e de inocência a iluminar o caminho da humanidade. Será o Reino da inocência, à imagem do Inocente por excelência, Nosso Senhor Jesus Cristo. Teremos, assim, a realização mais próxima possível da civilização paradisíaca. É esta uma das importantes lições a tirar do rico Evangelho deste domingo.

II - Duas mentalidades em entrechoque

30 "Tendo partido dali, atravessaram a Galileia. Não queria, porém, que ninguém o soubesse".

Após descer do monte Tabor e exorcizar um menino possesso, diante de numerosa multidão, Jesus dirigiu- se à Galileia.

Quis fazer a viagem discretamente, só com os mais próximos, porque ao longo do caminho "ensinava os Seus discípulos".3 O Evangelista deixa aqui transparecer a divina pedagogia de Jesus. Ele instruía os discípulos durante o trajeto, por meio do convívio. Não lhes ensinava a filosofia dos gregos, nem a doutrina dos mestres de Israel. Abria-lhes os segredos de Seu Divino Coração, dava-lhes a conhecer tudo quanto ouvira do Pai (cf. Jo 15, 15).

Jesus prepara os Apóstolos para a provação

Do sublime episódio ocorrido no Tabor - ao qual só assistiram Pedro, Tiago e João -, nada havia transpirado. Entretanto, os outros Apóstolos, vendo aqueles três tão radiantes e cheios de luz, muito provavelmente percebiam que algo de grandioso devia ter acontecido. Sem dúvida, estavam curiosos, talvez aflitos, para saber o que sucedera.

Quiçá pensassem, segundo seus critérios mundanos, que o Senhor tivesse revelado algum ousado plano para a conquista do poder e havia, portanto, necessidade de se guardar rigoroso segredo. A ideia da restauração de um reino temporal que desse aos israelitas um domínio sobre os demais povos estava tão arraigada nos judeus daquele tempo - portanto, também nos seguidores de Jesus -, que após a Ressurreição ainda houve quem Lhe perguntasse: "Senhor, é agora que ides restaurar o reino de Israel?" (At 1, 6).

Aos poucos, pacientemente, o Mestre ia retificando essa visualização mundana e materialista de Seus discípulos. O próprio fato de deslocar- Se com eles sem que ninguém o soubesse correspondia a esse objetivo. Jesus desejava estar a sós com os Apóstolos para formá-los e preparálos para as difíceis provações futuras.

31 "E ensinava os Seus discípulos: ‘O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-Lo-ão; e ressuscitará três dias depois de Sua morte'".

Anunciando Sua Paixão e morte, Jesus punha diante dos Doze o amargor da prova e da perseguição.

Ora, "nada repugnava mais aos judeus que a ideia de um Messias sofredor e vítima", afirma Didon.4 Eles esperavam com avidez a glória, o triunfo de Israel, uma paz e prosperidade de séculos ou até de milênios... Ou seja, aspiravam a uma eternidade de gozo terreno.

Davam-se conta os Apóstolos, sem dúvida, de que Jesus estava criando uma instituição para dar continuidade à Sua Obra. Percebiam também que Ele os ia formando para, em determinado momento, cada qual exercer um importante papel. Continuavam, entretanto, tomados pela ideia equivocada de um reino terreno, e sua preocupação era justamente saber quem ocuparia os altos cargos nessa nova organização.

Assim o assinala Didon, ao comentar as rivalidades que se levantavam entre eles: "Pedro tinha sido designado como chefe; Tiago e João pareciam gozar de certa predileção. Ora, estas preferências manifestas não deixavam de despertar entre os outros algum ciúme e inveja. [...] Daí as disputas azedas, as rivalidades, as ofensas, as feridas de amor próprio".5

Nesse clima de ambição e de delírio de mando dos Seus discípulos, Nosso Senhor os está pacientemente preparando para não sucumbirem à terrível provação que se aproximava.

32 "Mas não entendiam estas palavras; e tinham medo de Lhe perguntar".

Não era a primeira vez que o Messias anunciava Sua Paixão e Ressurreição aos Apóstolos. Estes, porém, tão distantes estavam de tais cogitações, que nem sequer Pedro, Tiago e João, testemunhas privilegiadas da Transfiguração, entenderam o que Ele lhes quis dizer.

Ao descer do Monte Tabor, o Senhor já os havia alertado para nada contarem "até que o Filho do homem tivesse ressurgido dos mortos" (Mc 9, 9). Entretanto, ignoravam o sentido dessas palavras, pois discutiam entre si o que significaria "ser ressuscitado dentre os mortos" (Mc 9, 10).

Bem aponta o Crisóstomo "quão pouco compreendiam os discípulos o sentido da clara predição da morte do Senhor. Inclusive depois de todos esses milagres reveladores, após essa singular revelação de identidade de Jesus por parte da voz celeste, e depois da predição explícita de Sua morte e Ressurreição, continuavam eles sem entender o mais importante e estavam preocupados por sua própria ansiedade".6

De sua parte, o padre Lagrange assim analisa esta passagem: "Os discípulos continuam não compreendendo. O que menos convinha ao Messias era a Paixão; o que menos se entendia da doutrina de Jesus ainda era a necessidade do sofrimento. Quando o Mestre disto falou pela primeira vez, Pedro protestou, mas foi vivamente repreendido (cf. Mc 8, 31); na segunda, eles mudaram de assunto (cf. Mc 9, 11); agora eles não ousam sequer perguntar".7

Sua mentalidade estava em choque com Nosso Senhor

Ora, se os discípulos não compreendiam o que o Mestre lhes dizia, qual a razão de terem medo de perguntar? Jesus sempre os tratara com uma bondade inefável e a ocasião não podia ser mais propícia, estando eles a sós com o Mestre. Era tão fácil, sobretudo naquele momento de intimidade, pedir-Lhe um esclarecimento!

Havia para isso uma profunda razão psicológica. A perspectiva da morte do seu Mestre ia contra todos os planos de projeção social, de solução política e econômica que eles almejavam. Significava a destruição do castelo de ilusões que os israelitas montaram a respeito do Messias: o de um homem capacíssimo, cheio de dons para libertar do domínio romano o Povo Eleito e projetá-lo acima dos outros povos.

Os Apóstolos percebiam que a mentalidade deles estava em choque com a de Nosso Senhor. O Mestre ensinava uma doutrina que eles, no fundo dos seus corações, não desejavam ouvir. A resposta de Jesus podia tornar clara demais essa dissonância, colocando-os na obrigação de mudar de mentalidade, o que de todo eles não queriam.

Bem observa o padre Tuya a este propósito: "Eles sabem que as predições do Mestre se cumprem. Têm um pressentimento em relação àquele programa sombrio - para Jesus e para eles - e evitam insistir sobre ele".8

O homem, segundo nos ensina a filosofia tomista, nunca pratica o mal enquanto mal; sempre procura justificá-lo, dando-lhe uma aparência de bem.9 E no espírito dos discípulos, duas ideias contraditórias entravam em conflito: a do autêntico Messias, que lhes falava de perseguições, morte e Ressurreição, e a de um Messias meramente humano, restaurador do poder temporal de Israel. Eles então racionalizavam para justificar a ideia errada na qual insistiam em acreditar.

O receio de romper os alicerces dessa mentalidade política e terrena os fazia ter medo de perguntar.

33 "Em seguida, voltaram para Cafarnaum. Quando já estava em casa, Jesus perguntou-lhes: ‘De que faláveis pelo caminho?'. 34 Mas eles calaramse, porque pelo caminho haviam discutido entre si qual deles seria o maior".

Sabia Cristo perfeitamente de qual assunto os Apóstolos trataram ao longo do percurso. À incômoda indagação, porém, eles ficaram calados, envergonhados de dizer ao Mestre que o tema de sua conversa havia sido uma egoística disputa de primazia pessoal.
O seu silêncio já era um meio reconhecimento da falta cometida, da qual eles tinham certa consciência, como afirma o Cardeal Gomá: "Sua conduta está em flagrante oposição com o sentir do Mestre, e estão confusos diante dEle".10 No mesmo sentido se pronunciam comentaristas da Companhia de Jesus: "O silêncio dos discípulos perante a pergunta do Mestre é muito psicológico. Sentem-se, sem dúvida, conscientes de que suas aspirações não encontrariam aprovação".11

Um novo conceito de autoridade

35 "Sentando-se, chamou os Doze e disse-lhes: ‘Se alguém quer ser o primeiro, seja o último de todos e o servo de todos'".

O Mestre conhecia bem aqueles que escolhera, pois, conforme comenta o padre Lagrange, Ele "não se espanta com a preocupação dos discípulos, nem contesta o princípio da hierarquia, mas insinua o espírito novo do qual deve estar animado quem tem cargo de direção. Há certamente aqui a previsão de outra ordem de coisas".12

Com Suas palavras, Jesus não condena o desejo de obter a primazia, mas põe uma condição: para ser o primeiro, é preciso ser "o último de todos e o servo de todos". Essa afirmação abria um panorama completamente novo para os Apóstolos, os quais compartilhavam do conceito de autoridade comum e corrente naquela época: quem é mais forte, mais capaz, mais inteligente, mais rico, ou mais esperto, esse manda e os outros obedecem.

Anunciando sua Paixão e morte,
Jesus punha diante dos Doze
o amargor da prova e da
perseguição.
"Jesus Flagelado" - Convento
dos Padres dominicanos,
Salvador - BA

Perante essa visão, Nosso Senhor declara qual é a regra de governo que deverá vigorar na Era Cristã: "O novo Reino que quero instaurar não será como os reinos da terra. O que deve animar Meus discípulos não é o espírito de ambição, a procura das grandezas. Pelo contrário, a primeira condição, a condição fundamental, para almejar o primeiro posto no Reino messiânico é a humildade, o menosprezo das honras, o desinteresse de quem se esquece de si mesmo para dedicar-se ao serviço dos irmãos".13

Humildade, menosprezo das honras, desinteresse por si mesmo e dedicação aos irmãos: são estas as características de quem deve mandar de acordo com o espírito de Jesus. É a precedência da virtude e da inocência na sociedade. Nada mais oposto à ira, à inveja e às rivalidades que tanto atormentam o homem depois do pecado original!

A esse respeito, transcreve o padre Maldonado expressivo comentário do Bispo e mártir São Cipriano: "Com Sua resposta, cortou Jesus qualquer emulação e extirpou toda ocasião e pretexto da mordaz inveja. Não é lícito ao discípulo de Cristo ter essas rivalidades e invejas, nem pode existir entre nós peleja para sobressair-se, pois aprendemos que o caminho para a primazia é a humildade".14

Convém notar, por fim, que Jesus "sentou-Se" antes de fazer esta solene declaração, "como para julgar no Seu Tribunal e ensinar aos Apóstolos, da Sua Cátedra, algo grave e importante que merecia ser dito não de pé e como que de passagem, mas sentado e de propósito, com plena advertência e consideração".15

III - Governar em função da inocência

36 "E tomando um menino, colocou- o no meio deles; abraçou- o...".

Comentam extensamente os exegetas este episódio no qual Jesus chama para junto de si uma criança, relacionando- o com a narração de São Lucas, que no final do seu relato reproduz estas palavras do Salvador: "Pois quem dentre vós for o menor, esse será grande" (Lc 9, 48).

As crianças estão isentas de inveja e vanglória

Ressalta-se, em geral, como o Divino Mestre serve-Se deste eloquente recurso pedagógico para fazer ver aos discípulos, cegos pelo desejo de supremacia, a necessidade de serem simples e humildes. Pois, como observa o Crisóstomo, "o menino está isento de inveja, de vanglória e de qualquer ambição de primazia".16

Por sua vez, Beda o Venerável ressalta o quanto Deus tem em alta estima a virtude da humildade: "Pelo qual, ou simplesmente aconselha aos que querem ser os primeiros que recebam, em honra dEle, os pobres de Cristo, ou que sejam como meninos, a fim de conservarem a simplicidade sem arrogância, a caridade sem inveja e a dedicação sem ira. O fato de abraçar o menino significa que os humildes são dignos de Seu abraço e de Seu amor".17

Mostra assim Jesus, neste episódio, quanto o verdadeiro discípulo não deve estar preocupado se será, ou não, maltratado, esquecido, posto de lado. Ele precisa apresentar-se sem qualquer pretensão, nem orgulho, mas, pelo contrário, admirando as qualidades alheias. Quem assim age será o primeiro a receber a misericórdia de Deus. Aquele que se tem por último e se considera o menor será quem mais recebe da Divina Providência.

Pode-se conjecturar a profunda perplexidade dos Doze naquele momento. Queriam eles ocupar posição de destaque, Jesus aponta-lhes a necessidade de procurar o último lugar. Aspiravam a um reino messiânico glorioso, Jesus alerta-os sobre Sua Paixão e morte na Cruz... O choque de mentalidades vaise tornando cada vez mais patente. Porém, tudo é dito com doçura, sem acrimônia, no momento oportuno, de forma a que as divinas palavras do Mestre penetrem beneficamente nos espíritos. Manifesta Ele aqui, uma vez mais, a admirável e delicada arte de corrigir, que servirá de modelo a todos quantos tiverem o encargo da direção das almas.

Jesus externa seu amor por quem jamais pecou

"...e disse-lhes: 37 ‘Todo o que recebe um destes meninos em Meu nome, a Mim é que recebe; e todo o que recebe a Mim, não Me recebe, mas Aquele que Me enviou'".

Embora os Evangelistas sejam muito sintéticos ao narrar esta passagem, podemos bem imaginar o quanto Nosso Senhor deve ter-Se demorado com esse menino, fazendo belíssimas considerações sobre a infância. Podemos supor também com quanto ardor elogiou sua humildade e desprendimento, pondo em realce as virtudes próprias a quem jamais pecou.

Transparece assim, neste último versículo do Evangelho hoje comentado, todo o amor de Jesus pela inocência, representada na criança por Ele abraçada. Esse menino - o futuro mártir Santo Inácio de Antioquia, segundo refere Eusébio de Cesareia18 - simboliza a pessoa que se entrega a Deus, sem reservas nem racionalizações, com reta intenção.

Cristo é modelo de inocente, enquanto Homem, e a Inocência em essência, enquanto Deus. Ele chama para junto a Si aquela criança porque, como ensina São Leão Magno, "ama a infância, mestra de humildade, norma de inocência,  modelo de mansidão. Cristo ama a infância, sobre a qual quer modelados os costumes dos adultos, e à qual quer reconduzida a idade senil; e leva a seguir seu humilde exemplo àqueles que depois eleva ao Reino eterno".19

Sobre este versículo, comenta o Crisóstomo: "E acrescenta ‘em Meu nome' para que os discípulos, guiados pela razão, adquiram em nome de Cristo a virtude que o menino pratica guiado pela natureza. Entretanto, para não se pensar que Ele se referia só àquele menino quando ensinava que Ele era honrado nos meninos, acrescenta: ‘E todo o que recebe a Mim, não Me recebe, mas Aquele que Me enviou', etc., querendo ser considerado em grau igual ao de Seu Pai".20 "

Todo o que recebe um destes meninos em Meu nome, a Mim é que recebe". Jesus mostra-se assim igual ao Pai, indicando, ao mesmo tempo, que quem recebe o inocente, o afaga e o protege, abraça na realidade ao próprio Deus.

Nessa perspectiva, lembra Maldonado que São Marcos "aduz esta razão em lugar da conclusão posta por São Mateus: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus. Prova-se implicitamente esta conclusão com o que diz aqui São Marcos, que ninguém entrará no Reino de Deus se não for semelhante a Deus. Nenhuma coisa manchada poderá entrar naquela cidade (como escreve São João no Apocalipse, 21, 27). Não podeis ser semelhantes a Deus se não O recebeis; e não O podeis receber se não Me recebeis, a Mim que fui enviado pelo Pai. E não Me podeis receber se não recebeis em Meu nome os meninos e não vos assemelhais a eles. Portanto, se não vos converterdes e vos tornardes como meninos, não entrareis no Reino dos Céus".21

Uma nova forma de governar e se relacionar

De acordo com o espírito do Evangelho, pouco antes declarado pelo Divino Mestre, quem quiser ter autoridade deve estar disposto a servir. Jesus acaba de ensinar aos Apóstolos essa verdade, chocando inteiramente a mentalidade pagã que dominava os seus espíritos, segundo a qual se deve dominar os outros à base da força.

Em uma sociedade marcada pela inocência, a autoridade deve governar o súdito como quem governa uma criança. Ela não tem delírios de mando; é despretensiosa, flexível e humilde; está sempre à disposição dos outros. Sendo ela tenra e frágil, pede ser conduzida com carinho e afeto. E, para isso, o governante tem de se pôr ao serviço dos seus subordinados, criando um regime que busque mais atrair do que impor, procurando despertar neles o entusiasmo pela prática do bem.

V - O bem mais precioso que o homem pode receber

Santa Maria Madalena amou
o DivinoMestre a ponto de ser
venerada comoa primeira das
Virgens na ladainha de
Todos os Santos
"Santa Maria Madalena, por
Francisco Brea, Museu Palazzo
Rosso, Gênova (Itália)

Preservar a inocência batismal - ou recuperá-la, caso tenha tido a desgraça de perdê-la - deve ser a meta de todo cristão. Porque quem a possui conserva na alma Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai e o Espírito Santo.

A inocência é o bem mais precioso que o homem pode receber. A união com a Santíssima Trindade de quem jamais pecou outorga-lhe uma autoridade que nem o poder, nem o dinheiro, nem as manobras diplomáticas são capazes de conceder.

Em sua primitiva inocência, o homem era inerrante, pois como ensina São Tomás: "Não era possível, enquanto durasse a inocência, que o intelecto humano desse sua aquiescência a algum erro como se fosse verdade".22 De forma análoga, o homem que mantém sua inocência batismal será infalível na medida que em se deixe guiar pela graça, pelas virtudes infusas e os dons do Espírito Santo. Assim o afirma o padre Garrigou-Lagrange: "Na ordem da graça, a fé infusa faz-nos aderir à palavra divina e ao que esta exprime. [...] Enquanto os sábios dissertam longamente e levantam todo tipo de hipóteses, Deus faz Sua obra naqueles que têm o coração puro".23

Devemos, portanto, envidar todos os esforços para manter sem pecado a nossa alma, ainda que seja necessário, para isto, sacrificar a própria vida. E se, por infelicidade, tivermos perdido a inocência batismal, empenhemo-nos ao máximo em recuperá-la, como o fez Santa Maria Madalena, através de um ardente amor ao Divino Mestre. E tanto amou que se assemelhou ao Amado a ponto de ser venerada como a primeira das virgens na ladainha de todos os Santos.

1"Como toda a integridade do estado harmônico de que acabamos de falar era produzida pela submissão da vontade humana a Deus, resultou da subtração da vontade humana a essa submissão divina uma alteração da submissão perfeita das potências inferiores à razão, e do corpo à alma. Em consequência, o homem sentiu no apetite sensitivo inferior os movimentos desordenados da concupiscência, da cólera e das outras paixões estranhas à ordem da razão, e mesmo contrárias à razão, envolvendo- a nas trevas, na maior parte das vezes, e perturbando- a em suas faculdades" (SÃO TOMÁS DE AQUINO. Compêndio de Teologia. c. 192).
2 Cf. AQUINO, São Tomás de. Suma Teológica. I-II, q. 2 e 3.
3 Cf. MALDONADO, SJ, Pe. Juan de. Comentarios a los cuatro Evangelios - II San Marcos y San Lucas Madrid: BAC, 1951, p. 146.
4 DIDON, Henri, OP. Jesus Cristo. Porto: Liv. Int. de Ernesto Chardron, 1895, V. 2, p. 227.
5 Idem, p. 228.
6 Apud ODEN, Thomas C. e HALL, Cristopher A.
La Biblia comentada por los Padres de la Iglesia - Nuevo Testamento 2 San Marcos. Madrid: Ciudad Nueva, 2000, p. 184.
7 LAGRANGE, OP, P. M.- J. Evangile selon Saint Marc. 5. ed. Paris: Gabalda et Fils, 1929, p. 244.
8 TUYA, OP, Pe. Manuel de. Biblia Comentada - II Evangelios. BAC: Madrid, 1964, p. 695.
9 Cf. AQUINO, São Tomás de. Suma Teológica. I-II q. 78, a. 1.
10 GOMÁ Y TOMÁS, Card. Isidro. El Evangelio explicado. Barcelona: Rafael Casulleras, 1930, V. 3, p. 83.
11 La Sagrada Escritura. Texto y comentarios por Profesores de la Compañía de Jesus. Nuevo Testamento.- Evangelios. Madrid: BAC, 1961, Vol. 1, p. 450.
12 LAGRANGE, OP, P. M.- J. Op. cit., p. 244-245.
13 DEHAULT. L'Evangile expliqué, défendu, médité - tome troisième. Paris: Lethielleux, 1867, p. 290.
14 MALDONADO. Op. cit., p. 151.
15 Idem, ibidem.
16 JUAN CRISÓSTOMO, San. Homilías sobre el Evangelio de Mateo, hom. 58, 3.
17 BEDA, São. In Marci Evangelium Expositio, l. 3, c. 9: PL 92, 0224.
18 Cf. DEHAUT, Op. cit., p. 290.
19 LEÃO MAGNO, São. Sermones in præcupuis totius anni festivitatibus ad romanam plebem habiti. Serm. 37, c. 3: PL 54, 0258.
20 BEDA, São. Op. cit., PL 92, 0225.
21 MALDONADO. Op. cit., p. 152-153.
22 AQUINO, São Tomás de.Suma Teológica. I, q. 94, a. 4.
23 GARRIGOU-LAGRANGE, OP, P. Réginald Marie. El sentido común. La filosofía del ser y las fórmulas dogmáticas. Buenos Aires: DEDEBEC y Ediciones Desclée, De Brouwer, 1945, p. 340-344.

(Revista Arautos do Evangelho, Set/2009, n. 93, p. 10 à 17) 

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias

Índice de Artigos | Home

Copyright© Arautos do Evangelho 2008. Todos os direitos reservados.
Divulgação autorizada, citando a fonte.